top of page

Inteligência artificial nos escritórios de advocacia.

Como essa tecnologia trará uma nova cultura organizacional nos escritórios e departamentos jurídicos?

Ao longo dos últimos meses você se acostumou com o debate sobre as implicações dos avanços tecnológicos no cotidiano de advogados, juristas e demais operadores do direito.


Nós da e-Xyon acreditamos que pautar esse debate é uma tarefa essencial para todos aqueles que desejam desmistificar alguns pontos envolvendo o uso dessas ferramentas em escritórios e departamentos jurídicos.


A tecnologia é, sem sombra de dúvida, um elemento cada vez mais comum no ecossistema corporativo. Isso se deve, principalmente, às vantagens empresariais trazidas pelo uso dessas ferramentas.


Enganam-se aqueles que acreditam que a implementação de ferramentas tecnológicas é um avanço em si; pelo contrário, o uso dessas inovações promove uma verdadeira revolução na concepção da cultura organizacional de uma empresa ao adequar equipes e otimizar processos.


No segmento jurídico os efeitos dos avanços tecnológicos já podem ser sentidos em larga escala. No entanto, se por um lado muitos operadores jurídicos têm encontrado nas inovações uma importante aliada, por outro ainda há resistência de diversos setores quanto à aplicação da inteligência artificial (IA) e seu impacto sobre a atuação dos advogados.


Nesse sentido, é necessário unirmos forças a fim de desmistificar as lendas criadas ao redor da aplicação da inteligência artificial no ambiente advocatício, pois somente assim poderemos entender, em termos práticos, como a tecnologia pode e deve beneficiar o operador jurídico em suas funções.


A realidade por trás da inteligência artificial


Ao longo de muitos anos, o mercado advocatício se caracterizou por uma rotina cercada de métodos de trabalho puramente manuais. Essa realidade construiu um ecossistema contraprodutivo, que limita o desempenho e o próprio crescimento do escritório, dada a lentidão de atividades pouco intuitivas.


A fim de solucionar esse gargalo, que drena a força vital de advogados e demais operadores do direito, a inteligência artificial nasceu com o intuito de criar um ecossistema favorável à obtenção de resultados promissores por meio de alterações propostas pela máquina.


Entre as vantagens que assinalamos quando escritórios e departamentos jurídicos aderem ao uso de inteligência artificial, destaca-se a automatização de tarefas repetitivas, que possibilita ao profissional do direito se dedicar ao que realmente importa: advogar.


O advogado não perderá o protagonismo


Por ser uma tecnologia ainda recente e sua aplicação no direito mais recente ainda, algumas dúvidas emergem no horizonte. Algumas delas ganham contornos conspiracionistas e até apocalípticos, como a ideia de que a inteligência artificial em poucos anos substituirá os advogados em suas funções.


Segundo especialistas no tema, toda essa preocupação é infundada, pois, antes de qualquer aplicação da inteligência artificial, é realizada uma severa avaliação na qual se identifica onde e como a máquina deve ser aplicada, a fim de evitar que o componente humano tome para si tarefas de pouco valor estratégico para a organização.


Em síntese, nenhuma medida implementada dentro desse espectro tem como objetivo excluir a atuação dos operadores do direito.


e-Xyon – uma empresa comprometida com o desenvolvimento da Justiça


No artigo acima, aprendemos que o direito, um dos segmentos sociais mais conservadores quando o assunto é adesão à inovação, está ficando cada vez mais flexível e adotando ferramentas tecnológicas que otimizem rotinas e processos em escritórios e departamentos jurídicos.


Esse movimento de progressiva abertura se deu pela percepção de muitos operadores do direito de que o fortalecimento da relação entre o direito e a tecnologia é um caminho sem volta.


A fim de contribuir com esse movimento de modernização da advocacia, nós da e-Xyon desenvolvemos nosso Gestor de Comunicações Processuais, que permite ter, num único ambiente, todas as informações relevantes recebidas nos endereços eletrônicos das pessoas jurídicas cadastradas nos processos.


Se você gostou do artigo acima e deseja se aprofundar mais no assunto, então não perca a oportunidade de ler os nossos outros textos.

10 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page